Press News & Events

Carta 2020: Quando a BlackRock fala, o mundo ouve

Sexta, Janeiro 17, 2020 - 17:29
Publicação
Observador

Carta 2020: Quando a BlackRock fala, o mundo ouve

A mensagem-chave da BlackRock é que as decisões de investimento terão sempre a sustentabilidade ambiental como objetivo central, indo sair dos investimentos com alto risco relacionados com o ambiente.

A BlackRock é a maior gestora de fundos de investimento à escala global, com quase US$ 7 triliões de “assets” sob gestão (equivalente ao dobro do PNB alemão). Em Portugal, detém participações em empresas, como a EDP, Jerónimo Martins, Galp, Millennium BCP, NOS, CTT e Sonae.

Larry Fink, o seu fundador e CEO, tem o hábito de dirigir uma carta anual a todos os seus CEOs espalhados pelo mundo, enfatizando a questão nuclear que devem acolher ao desenhar e implementar as suas estratégias em cada ano.

A carta anual de Fink aos principais executivos das maiores empresas do mundo é seguida de perto por muitos e a de 2020 acaba de ser publicada.

Em 2018, a sua carta introduziu definitivamente o conceito de Propósito (“Purpose”) na agenda estratégica de muitas das maiores empresas mundiais. Destacando uma das declarações da altura: “A sociedade exige que as empresas, públicas e privadas, sirvam um propósito social. Para prosperar ao longo do tempo, cada empresa deve não só demonstrar um bom desempenho financeiro, mas também mostrar como fazer uma contribuição positiva para a sociedade. As empresas devem beneficiar todos os seus “stakeholders”, incluindo acionistas, empregados, clientes e as comunidades em que operam”.

A carta do ano passado, 2019, teve o enorme mérito de seguir o mesmo caminho, aprofundando e confirmando o conceito de que “lucro e propósito estão indissoluvelmente ligados”. E terminava com uma mensagem muito clara: “As empresas que definam e cumpram o seu Propósito e as responsabilidades que daí resultam para com todos os “stakeholders” são as que triunfarão no longo prazo. As outras não sobreviverão”.

Na carta deste ano, a mensagem-chave é a de que a BlackRock tomará decisões de investimento sempre com a sustentabilidade ambiental como objetivo central, e, neste contexto, começaria a sair de certos investimentos que “apresentam um alto risco relacionado com a sustentabilidade”.

Outras mensagens importantes:

“A consciência (pelo tema da sustentabilidade) está a mudar rapidamente, e eu acredito que estamos à beira de uma reformulação fundamental na forma como se avaliam e financiam os investimentos (…), as evidências sobre o risco climático obrigam os investidores a reavaliar os pressupostos fundamentais das suas apostas. Mesmo que apenas uma fração da ciência esteja certa, esta é uma crise muito mais estrutural e de longo prazo do que se possa pensar”
“A mudança climática é, invariavelmente, a principal questão que os clientes em todo o mundo levantam com a BlackRock”
“Haverá uma grande mudança, muito mais cedo do que muitos possam imaginar, na forma como o dinheiro será alocado. Esta dinâmica vai acelerar à medida que a próxima geração assuma o comando das empresas e de cargos públicos. Triliões de dólares passarão para as mãos da geração dos millennials nas próximas décadas, e à medida que estes vão ascendendo a essas posições de topo, remodelarão ainda mais intensamente a abordagem aos temas da sustentabilidade.”

A carta não deixa ainda de reforçar as mensagens dos anos anteriores sobre Propósito. “Uma empresa não pode alcançar lucros de longo prazo sem adotar e ser claro sobre o Propósito que as move. Em ultima analise, essa será a única garantia de sustentabilidade económica a longo prazo”.

Larry Fink nem sempre foi o primeiro a abordar questões ambientais ou sociais, mas a sua carta anual tem a enorme capacidade de influenciar e mudar as discussões nas reuniões dos Conselhos de Administração em todo o mundo. Como dizem por Wall Street “Quando a BlackRock fala, o mundo ouve”.

Nuno Moreira da Cruz, Diretor Executivo do Center for Responsible Business & Leadership.

Related Press News

22/05/2020 - 18:07
Observador
Com o trabalho remoto fomos levados a adotar procedimentos e a aceder a tecnologias que nos fizeram perceber que há muitas tarefas que podemos fazer melhor assim, evitando quilómetros e horas perdidas. Já todos sabemos. A pandemia do Covid-19 virou o...
15/05/2020 - 14:40
Observador
No contexto atual, podemos não ter já as novas respostas. Mas, temos de ter novas perguntas. Mais interessante do que “O que virá aí?” é, por exemplo, “Como posso preparar-me para o que aí vem?”. O futuro reserva-nos novos desafios e, com a naturalidade...

Próximos eventos

26
Maio
17:00

Católica Lisbon School of Business & Economics

Lisboa1649-023
Portugal
28
Maio
17:00

Católica Lisbon School of Business & Economics

Lisboa1649-023
Portugal