Press News & Events

Marcelo reforçou confiança dos portugueses na Presidência da República

Friday, February 16, 2018 - 11:45
Publication
Jornal de Negócios

Um estudo da CATÓLICA-LISBON mostra que a Presidência da República é a instituição da sociedade portuguesa em que os cidadãos mais confiam. E que essa confiança aumentou com Marcelo.

A Presidência da República é a instituição da sociedade em que os portugueses mais confiam. E desde que Marcelo Rebelo de Sousa tomou posse, em Março de 2016, essa confiança só tem vindo a crescer.
Estas são algumas das conclusões do Estudo da Sociedade Portuguesa – Felicidade, Hábitos de Consumo e Confiança Económica da Sociedade Portuguesa da CATÓLICA-LISBON que aferiu indicadores como Confiança no Governo, Confiança em Instituições e Avaliação de Serviços Públicos.

O estudo mostra que, entre Março de 2016 - altura em que o indicador foi medido pela primeira vez, e em que Marcelo tomou posse como presidente - e Novembro de 2017, registou-se um crescimento de 46,1% no valor médio de confiança no Presidente da República, sendo este o indicador que mais cresceu.

No extremo oposto, as instituições que merecem menos confiança por parte dos portugueses são os bancos, ainda que a confiança nas instituições financeiras tenha crescido 11,8% desde Março de 2016. A par com os bancos, os portugueses confiam pouco na igreja e nas religiões organizadas. E cada vez menos, já que este indicador caiu 4,6% no período em análise. Também o valor médio de confiança nas forças armadas diminuiu 4%.

Os participantes reportaram ainda níveis moderados de confiança no governo no que respeita a resolução de problemas nacionais (4.82) e internacionais(5.03), e indicam confiar moderadamente nos portugueses quanto à tomada de decisões(4.79), numa escala de 1 a 10 pontos.

No mesmo sentido, o nível de satisfação com a forma como Portugal é governado é moderado (5.04), tendo aumentado, porém, 30,3% de Março de 2016 a Novembro de 2017. 

"Comparando os resultados obtidos em Novembro de 2017 com dados obtidos em Março de 2016, o valor médio de satisfação com a criação de emprego cresceu 35,1%, com as finanças nacionais aumentou 32,6%, com o desenvolvimento económico cresceu 28,2%, enquanto o valor médio de satisfação com questões relacionadas com fenómenos naturais (por exemplo, chuvas intensas, ventos fortes, temperaturas muito elevadas ou muito baixas) diminuiu 23,9%", acrescenta o estudo, a que responderam cerca de mil participantes.

Related Press News

13/07/2018 - 17:05
Dinheiro Vivo
O professor universitário João Borges de Assunção participou no debate sobre a Poupança para a Vida O maior número de anos vividos após o final da vida ativa obriga a que a poupança tenha de ser preparada de forma diferente? Sim, porque se temos...
27/06/2018 - 12:51
The Conversation
This overview of the various Instagram strategies developed by fashion and luxury brands is based on case studies conducted by students as part of ESCP Europe’s Fashion...

Upcoming Events

21
Sep
09:00

Auditório Cardeal Medeiros, Universidade Católica Portuguesa

1649-023
Portugal